Conto
Sexta, 14 Outubro 2016 12:08

Embriagado

Todas as coisas e ideias tendiam para a esquerda. Depois, inclinaram-se um bom tanto para a direita. Então, rolaram para o centro e por ali ficaram, no equilíbrio frágil de uma mesa de boteco.

Sexta, 14 Outubro 2016 12:05

Ambicioso

Nasceu para ser

Viveu para ter

E morreu, sem nem ver

Sexta, 14 Outubro 2016 12:02

Protetor

Ele dá gritos agudos ao meu ouvido. Logo depois, me empurra com toda força; E, em seguida, atira grãos de areia em meus olhos. Tudo para que eu volte para casa.

Sexta, 14 Outubro 2016 11:59

Intenção

Ela chegou chorando, nervosa. Ofereci meu ombro, ela aceitou. Ofereceu-me a boca, eu aceitei.

Sexta, 14 Outubro 2016 11:53

Final de Tarde

Seria uma ofensa chamar o céu de azul naquele momento. Era uma mistura de rosa, laranja, amarelo e azul.

Domingo, 09 Outubro 2016 13:28

Envelhecer

— Mana, estou lhe telefonando porque estou horrorizada. Ao me olhar no espelho, hoje, com mais atenção, eu me dei conta de que estou envelhecendo, reparei um monte de ruguinhas em volta dos olhos e continuo acima de meu peso.

Sábado, 08 Outubro 2016 21:31

Indigência na Praça

Silêncio, vazio. Nenhum ruído de vozes, carros, grito dos ambulantes. Mas o medo aumentou. Ele se instala, o medo, na mente, nas duas vertentes: No aglomerado de pessoas, quando se infiltram os descuidistas que, depois, dispersam-se por entre eles, ou na ausência deste conjunto, pela ausência de socorro. Estava assim a praça. Num domingo.

Sábado, 08 Outubro 2016 21:06

Um Causo Mineiro

Seu Zezinho era comerciante próspero, conhecido por aquelas bandas como homem leal, fiel e de palavra. Comprava e vendia o que quisesse com apenas um fio da sua barba como garantia. Casado, pai de quatro filhos, curtia a vida folgado. A mulher era o pé-de-boi e o pau-para-toda obra da família. Mulata forte, não hesitava em arregaçar as mangas e enfrentar o pesado. Além do mais, no armazém de “secos e molhados” vendia-se de tudo. Ela se gabava em dizer que tudo era feito por ela, dos bolos e cocadas aos chouriços e fressuras.

Sexta, 07 Outubro 2016 01:39

Culpa

Quando Ele apareceu, perguntando quem é que havia comido do fruto proibido, todos ficaram desesperados. Adão, que não havia sequer se aproximado da árvore, não pensou duas vezes, apontou o dedo acusador para Eva e disse que havia sido ela.

Sexta, 07 Outubro 2016 01:21

Recado

-Vai, eu sei, tu queres (?) e também precisas ir! Mas, não te esqueças nunca de mim... Sim , eu sei, é ela que te lava as roupas, que te passa as camisas, que te cirze as meias, que te prepara a comida ( e até acerta no tempero), que te cria as crias, que te jurou fidelidade no altar até a morte, que a teu lado se deita todas as noites e que te ouve o ronco (sem reclamar?), ou aprecia seu manso ressonar...

Página 3 de 8