Sábado, 06 Agosto 2016 14:10

Amor Cárcere

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

É exatamente assim, Lola tem "um parafuso a menos" ou muitos. Filha de hippies, nasceu nos anos 60, no meio de muito amor, música, loucura e drogas. A mãe era cantora, fazia a linha notívaga e regada a álcool, o pai era um careta, advogado, engravatado que se apaixonou e largou tudo, trabalho, neuroses e a primeira mulher, que o inferniza até hoje, mesmo velha.

Lola cresceu em um mundo lotado de amor e sem nenhuma regra ou limite e assim ela é.

Linda até hoje, paisagista, livre e eternamente apaixonada. O trabalho a leva aos mais diversos cantos e lá ela faz amigos, amores e sempre deixa saudade.

Em 85 teve um filho amado, mas ele não aguentou um mundo sem fronteiras e hoje vive feliz na Itália, é arquiteto, fez uma família e deu a ela o que podia de melhor, duas netas. E cá para nós Gina é igualzinha a avó, apesar dos seus 5 anos.

Agora Lola vive um problema, ela não está só apaixonada, está amando e amando com dor e sofrimento. Está vivendo e amando Edu, 59 anos, dono de uma corretora de valores, totalmente capitalista, careta, conectado a todas as tecnologias, apreciador de bons vinhos e de restaurantes pra lá de sofisticados.

Seu mundo ficou cercado de "pode" e "não pode", "é adequado" e "não é adequado". Ela foi fazer yoga e terapia para se encontrar com ela mesma, se acalmar com o cárcere, se resgatar quando possível.

Semana passada ela, que não fuma, saiu para comprar cigarros, deixou um jantar cheiroso, enfeitou a casa com flores, deixou música tocando, deu ordens aos jardineiros, vestiu um vestido longo e até hoje não voltou.

Lido 423 vezes
Rita Müller

Arquiteta que adora escrever cartinhas, apaixonada pela vida e pelo trabalho e com energia para dar e vender.

Profissão: Arquiteta

E-mail: ritammuller@hotmail.com

Mais nesta categoria: « A Gota Quero um Amor »

2 comentários

  • Link do comentário LUIZ GUILHERME Domingo, 14 Agosto 2016 18:27 postado por LUIZ GUILHERME

    Poderia ter dado o nome de Amor Inexistente. Nada no teu conto remete a amor.

    Relatar
  • Link do comentário Christina Mariz de Lyra Caravello Sábado, 13 Agosto 2016 01:40 postado por Christina Mariz de Lyra Caravello

    Ritinha, você vem mudando a cada conto...e a cada conto gosto mais dos seus textos...
    Mas, os que mais gostei, foram Gritos e esse último, Amor cárcere,que está nota 10...
    Simples, leve e encantadoramente objetivo...
    Parabéns, sobrinha, sempre reparei que tem muita facilidade para escrever...Beijos

    Relatar

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.