Sábado, 24 Setembro 2016 21:41

De Amor E De Horror

Escrito por
Avalie este item
(26 votos)

Madrugada adentro,
Ia eu bastante sonolento,
Por minha janela só entrava o vento,
E era a falta da amada que nutria meu lamento.

Hora desperto, hora em sonho,
Buscava razão sem nenhum ganho,
Explicações para um sentimento estranho
Que por muitos foi chamado “amor medonho”.

Lamentava-me eu
Por amar tal senhora,
Que há muitas décadas morreu,
Nada disso fazia menor sentido agora.
Onde nos reencontraríamos eu e minha senhora?

Ah sim, eu já quase me esquecia:
O nome de minha amada era Luzia,
Eu ainda me lembro de como me batia
Sempre que, com uma piada, eu a interrompia.

Se ainda fosse viva
Talvez já tivesse sido esquecida,
Só de lembrar me dá um frio na barriga,
Como pude eu me apaixonar por uma alma perdida?

Aquela que para mim era linda, viva e amorosa,
Para outrem era fria, mórbida e penosa,
Daí me veio uma ideia engenhosa:
Iria ao clero ter uma prosa.

O velho padre veio me dar um grande sermão,
Dizendo que amar uma morta não podia,
Ele vigorosamente insistia:
“Isso não, não e não”.

Vê-se que de sentimentos nada entedia um padre celibato,
Alguém que só nutria amor por um, já velho, gato.
Entedia o amor como um simples trato,
Só o conhecia através de relatos
E tomava tudo como fato.

Não poderia dar ouvidos a esse celibatário ranzinza,
Ele não entendia que aquela mulher falecida
Já era parte importante da minha vida,
Mesmo que fosse feita de cinzas.

Decidi então que resolveria de uma vez essa impossibilidade:
Daria um fim ao lento e inútil avanço da minha idade,
Eu seria o primeiro suicida da minha cidade,
Mas viveria o amor pela eternidade...

Lido 370 vezes
O Corvo

Nascido nas Minas Gerais, O Corvo é um contista e contador de histórias que tende ao horror e suspense, mas se aventura vez ou outras nos caminhos românticos. Com 22 anos ele é vendedor de materiais de construção e Estudante de Engenharia Civil busca na literatura uma forma de terapia para aliviar o estresse diário. O horror abordado em seus contos fica limitado apenas às páginas que escreve, na verdade sempre foi muito apegado à família, namorada e amigos.

É muito eclético musicalmente (escuta todos os tipos de rock), adora os contos de Edgar Allan Poe, Séries de TV, é jogador de RPG e nunca se adaptou bem a esportes.

Acredita que o mundo pode ser melhor, mas está tentando melhorar a si mesmo para comprovar sua teoria.

E-mail: escritorcorvo@gmail.com

Links: www.facebook.com/contosdocorvo
www.contosdocorvoblog.wordpress.com
Youtube: www.goo.gl/M0K2U6

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.