Segunda, 26 Setembro 2016 22:54

Sapatos de Salamandra

Escrito por
Avalie este item
(10 votos)

A muito tempo quando não existia tecnologia as pessoas moravam em ocas ou cavernas, elas tinham que sobreviver e uma lenda contada a séculos sobre o fogo que as salamandras emitiam era milagroso e podiam ter propriedades curativas.

Um Homem já com seus quarenta e cinco anos, soube desta lenda e procurou um mago, e juntos foram atrás desta lenda da salamandra.

Em uma jornada passaram pelas geleiras colossais pelo deserto e assim chegaram as montanhas rochosas que continha m vulcões.

Os Vulcões estavam inativos por causa das salamandras que viviam em harmonia com o sistema e o elemento fogo.

Os dois andaram e vigiaram a região colocando várias armadilhas mais nada nenhum sinal desta tal salamandra de fogo. Eles acompanharam por vários dias e noites até um terremoto abalar seu sono o mago em punho com seu bastão de cão e o homem corpulento saem da barraca e o frio das montanhas os cercava e então no meio da noite uma coisa estranha acontece em vulto de fogo aparece e entre correndo em uma vala desaparecendo em seguida.

O mago e o homem correm mais ao chegar na vala só veem lava vulcânica escorrendo, mais era o indicio que a lenda existia então felizes por terem encontrado um sinal da existência delas, o mago retira um caldeirão e faz uma pequena fogueira e coloca um pouco de água e umas folhagens então após mexer alguns minutos uma fumaça azul brilhante começa a exalar do caldeirão.

- O que você está Fazendo? Pergunta o homem ao mago.

- Estou fazendo uma poção e talvez conseguimos capturar nossas criaturas, isso fará com que elas congelem e saiam do fogo podendo serem capturadas sem nos queimarmos com seu fogo.

Após algumas horas a poção fica pronta, ele a coloca em uma engenhoca magica de captura como uma rede, e desmontam o acampamento e seguem rumo as montanhas até encontraram lava pois era lá que elas gostavam de viver.

Os dois andam por dois dias até encontrar uma imensa montanha que estava expelindo fumaça e então os dois sabiam que deviam ir até lá para verificar.

Os dois começam a escalar a montanha e o calor era tão grande que ia aumentando gradativamente até chegarem na boa do vulcão e observam no seu centro onde havia muita lava os dois começam a descer pelo vulcão já estavam suados e dentro encontram milhares de salamandras que pulam na lava desaparecendo de vista porem seus olhos vermelhos apareciam entre o amarelo e o laranja da lava.

- Jogue a rede mágica, diz o mago

Então, o homem coloca sua bolsa no chão e retira uma rede azul brilhante e a joga na lava e a assim a poção estava agindo neutralizando o calor e como peixe na rede milhares de salamandras, pequenos lagartos de pele multicor vermelho com preto, foram sendo puxados para fora da lava em cima das pedras.

Os dois estavam felizes e pulando pela conquista então o homem e o mago pagam seus dois facões e começam o primeiro massacre, muito sangue foi derramado e notaram que sua carne era muito saborosa e seu sangue após teste do mago tinham realmente propriedades magicas e podiam até derreter pedra menos o metal, os dois saem do vulcão e montam acampamento ao lado da montanha e foram colocando a carne para defumar e a pele empilhada ao lado e o homem notou que as peles mesmo depois de mortas ainda permaneciam quentes, e como o frio da montanha estava orrendo e seus sapato de couro feito artesanalmente estava gasto e furado ele pega uma das peles e fez para ele um belo par se sapatos para ele, e também para seu amigo o mago, entçao o mago ao ver isso pergunta.

- O que foi que você fez?

O homem corpulento responde, prove-as e descubra você mesmo.

- Oh! Estão quentes! Vamos ficar ricos e famosos diz o mago ganancioso.

Os dois ficaram uma semana e conseguiram milhares de peles e carnes, após isso levantaram acampamento e seguem rumo a cidade de Monte Crisântemo e venderam todo o lote de carne , pele e sangue para os camponeses e bruxas e nisso a noticia das salamandras se espalhou devido a uma festa que o mago bêbado disse a outro homem, e nisso a noticia se espalhou como pólvora e começou uma caçada que durou uma década até não acharem mais nenhuma salamandra.

Um século se passou...

- Será que foram embora, diz um homem ...

- Não diz uma linda moça, era uma Bruxa pesquisadora do laboratório que conseguiram estrair o DNA de uma das peles vendidas e conseguiram reproduzir com magia novas salamandras, que agora podiam ser encontradas nos cativeiros e sua pele , carne e seu sangue foi e ainda e muito utilizado e vendido muito caro, por ser uma iguaria principalmente no inverno.

O homem e o mago foram presos e condenados à fogueira, e sua historia é falada nos dias atuais.

Nos dias de hoje existem caçadores e multas para aqueles que infringem a regra pois salamandras são seres mágicos com propriedades belíssimas, e nunca mais se viu nenhuma na natureza.

Talvez estejam escondidas no subterrâneo tramando algo, e existem lendas de vulcões que explodem e destroem tudo dizendo que são as salamandras que estão ainda furiosas e se vingam dos povoados que ficam nas proximidades dos seus vulcões.

Lido 708 vezes
Otávio Augusto Rodrigues

Sou Otávio Augusto Rodrigues (O. A. R.) natural de Curitiba / PR, Brasil. Tenho trinta anos sou formado em Ciências Contábeis pela PUCPR, 2005 a 2008 e pós-graduado em Controladora pela UFPR de 2009/2010 e desde então ministrando várias atividades e cursos. Trabalho com Logística, porém meu hobby é a escrita adoro escrever e minha cabeça ferve de tanta imaginação, já tenho dois contos publicados pela Academia Alquimia das Letras em 2014 / 2015 onde meus contos fazem parte integrante do livro Feiticeiro das Letras e 50 Tons de Vermelho Sangue. E acredito que qualquer um pode fazer a diferença desde que se empenhe 10X a fazer aquilo que deseja e tenho um sonho de um dia mostrar ao mundo minhas obras e publicar meus livros que estão a caminho.

E-mail: otavioaro@hotmail.com

Links: https://www.facebook.com/otavioaro

Conheça mais sobre o meu livro, As Crônicas de Biier e os Guardiões da Magia acessando o link: https://www.amazon.com.br

1 Comentário

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.