Quinta, 09 Junho 2016 11:06

Liberdade de Expressão

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Em uma livraria entra um senhor distinto, por volta dos 70 anos.

- Posso ajudar? – Vendedor.

- Por favor. Queria saber se você tem alguma coisa da ditadura.

- Temos a seção de história em que há diversos livros sobre o assunto.

Na seção o vendedor mostra alguns títulos.

- Hum... (Observa) Sabe, eu estou procurando algo mais em outro sentido. – Senhor.

- Em qual sentido procura?

- Queria algo falando bem da ditadura. Esses que você me mostrou não me parecem adequados, alguém deve falar do bem que era feito na época. Ainda mais hoje em dia, que os comunistas estão fazendo esse bando de besteira no governo. Perdão, mas você é comunista?

- Não senhor, não sou comunista.

- Ai que bom! – Risos de alívio – podia estar cometendo uma gafe. Então, pelo visto mesmo com essa bandalha toda ainda não saiu nada positivo sobre a ditadura, então vamos tentar outra coisa.

- O que o senhor tem em mente?

- Literatura Nacional, eu gosto tanto dos nossos autores. Adoro Monteiro Lobato, mas já li tudo, dos de criança aos mais adultos. Queria um clássico, que talvez ainda não tenha lido.

- Acabaram de chegar diversos livros de uma coleção nova de Machado de Assis.

- Machado de Assis. Ele era bom, era sim. – Pausa, sussurrando – Mas sabe o que é? Ele era negro, queria algo mais pálido se é que você me entende.

O vendedor ri meio sem jeito.

- (Gargalhando) Tem que falar baixo, hoje em dia não se pode mais não gostar de negros. Tempo estranho em que vivemos, um homem pode dizer que não gosta de mulher em qualquer lugar e aplaudem ele, se você diz que não gosta de preto parece que está cometendo um crime.

- É um crime, hoje em dia, dizer que não gosta de preto.

- (Mais risos) Você me entende, um crime, essa foi boa. Mas vamos para uma última tentativa, uma bela biografia pode ser uma boa,

- Acho que o senhor vai gostar de uma, mas só o primeiro volume, “A Ascenção do III Reich”, fala sobre a subida de Hitler ao poder.

- Não, Hitler não.

O vendedor achara a linha, talvez sua audácia lhe custasse um cliente, mas ele já não se importava mais, até a possibilidade de ofender um senhor judeu parecia agradável na circunstância.

- Hitler não passou de um incompetente, um bando de judeu vivo aí dominando o mundo debaixo dos nossos olhos! Mas gostei desse livro aqui...

Lido 277 vezes Última modificação em Sexta, 10 Junho 2016 00:28
Jose Valdes y Prom

Pseudônimo

Um iconoclasta.

Mais nesta categoria: « Sinhazinha Juliana A saideira »

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.