Quarta, 19 Outubro 2016 16:25

Paixões Perigosas

Escrito por
Avalie este item
(1 Voto)

Tudo começou com uma brincadeira. Em meio às perguntas de “verdade ou consequência” a garrafa de Spartov, uma das melhores marcas de vodca apontou para Caio e Alessandra. Por uma fração de segundos seus olhos correram por toda a sala que não era grande e pela roda de amigos que ansiavam por saber o que escolheriam.
Uma gota de suor brotou na testa de Caio e lentamente escorreu por sua face, estava nervoso e suas mãos suavam. Durante toda a brincadeira ainda não havia sido mencionado, estava ansioso por saber o que aconteceria a si quando fosse sua vez de brincar. Também sabia que Alessandra era irmã do seu melhor amigo e que havia jurado em uma das milhões de festas que compareceram que nunca a enxergaria com outros olhos que não fossem de amizade e devoção. Fez menção de desistir da brincadeira quando um dos colegas questionou Alessandra sobre qual seria a ação tomada. Ficou em estado de choque por segundos ao ouvir dos lábios carnudos da garota a palavra consequência e mais rijo ainda quando uma das meninas presentes pilhou com o pedido de beijo na boca.

Acostumado a amores errantes e cético sobre o que era o amor, Caio era um adolescente à sua maneira. Tinha suas projeções políticas e acreditava que o poder popular faria a diferença frente às oligarquias. Era o centro das atenções das turmas que frequentava e fazia amizade com praticamente todos com quem tinha contato. Estatura média, cabelos sempre raspados pois os caracóis o incomodavam e suas roupas despojadas o faziam querido por todos. Tinha sonhos como viajar pra Europa e desbravar os sertões do Brasil, mas no momento apenas estudava jornalismo e dividia seus desejos entre escritas e livros. Fora parar na casa de Alice e naquela mesa de verdade ou consequência por acaso. Um de seus amigos João o arrastou para a festa dizendo que algo diferente aconteceria ali naquela noite. Como gostava de novidades e conhecer pessoas, não fez muitas objeções e acompanhou o amigo à festa. Apenas não sabia que a irmã do melhor amigo estava ali e do passo que tomaria a partir do momento que seus lábios tocassem os dela.

Enquanto o coro dos amigos por um beijo acontecia, Caio levantou-se e caminhou até a cozinha em busca de uma cerveja. Fuçou no freezer e buscou a garrafa mais gelada. Em apenas uma golada tomou metade do conteúdo e retornou vagarosamente à sala. Enquanto seus passos podiam ser ouvidos à distância, seus pensamentos permaneciam aturdidos pois estava prestes a quebrar uma promessa feita. Embora feita num momento de embriaguez, considerava a lealdade uma de suas principais características. A claridade da sala e as pessoas observando curiosas apontavam que um veredicto já havia sido dado. Ao notar o sorriso malicioso de Alessandra, Caio que já tinha as mãos suadas passou a suar no corpo inteiro. As maçãs de seu rosto que estavam vermelhas passaram a ficar roxas. Um desejo incontrolável tomou conta de seu corpo e se deixou levar ficando frente à frente com Alessandra.

Rebelde e sem causa, Alessandra era um espírito livre e amante do perigo. Suas loucuras a levavam a confusões jamais imaginadas e sentidas à flor da pele. Namorava Hugo, mas o deixava em segundo plano porque sempre encontrava uma diversão de uma noite mais interessante. Já havia fugido com três namorados diferentes para diversos lugares e depois por tédio retornava para sua morada. Era irmã de Lúcio, melhor amigo de Caio um rapaz ciumento e que defendia a irmã da investida dos amigos mais próximos por achar que não era certo ver sua irmã passar nas mãos de seus amigos. Mal ele sabia que ela já havia amado a todos e que o único que faltava estava a um passo de suas garras. Apesar da baixa estatura, tinha olhos gigantes e vivos, pretos como jabuticaba, cabelos encaracolados, seios e quadris à medida. Sua sensualidade era natural, não precisava forçar para conquistas qualquer pobre alma, até mesmo por isso estava decidida quando viu a garrafa apontar para si e para Caio. Chegou aquela festa por ser amiga de Alice de outros carnavais, já haviam viajado juntas durante as festas de final de ano e sempre que podiam se encontravam para intermináveis cafés e bate papos de deixar quaisquer queixos caídos. Pegou seu gloss de melancia e espalhou pelos lábios carnudos e deu uma risada maliciosa. Esperou pacientemente o rapaz caminhar em sua direção e parou frente a frente com ele, uma tensão de desejo e ansiedade rodeava o ar e tirava o folego daqueles que estavam presentes.

O rádio tocava All The Man That I Need da cantora Whitney Houston quando a mão de Caio deslizou pelo rosto de Alessandra de forma carinhosa. Em retribuição suas mãos entrelaçaram sua cintura e suas bocas se entregaram a um beijo ardente, como se todo o ambiente ali não existisse. Percebendo a magnitude do clima ali criado, os presentes partiram para a piscina para dar prosseguimento à festa enquanto os dois, agora a meia luz entregavam-se a beijos ardentes, mãos bobas que deslizavam suavemente e em movimentos repetitivos por todas as partes do corpo. Beijos na nuca, nas orelhas e no colo ainda fizeram parte do enlace entre os dois que explodiam de tesão. Á certa altura do êxtase, Mariana, uma das convidadas e que estava um tanto embriagada aumentou a iluminação diminuindo o ímpeto da dupla que estava a tirar as roupas no meio da sala. A festa continuou para ambos sob óticas diferentes: Enquanto Alessandra aproveitava o momento e curtia cada segundo de sua vida, Caio estava assustado por ceder aos impulsos de seu corpo e trair a confiança de Lúcio, que terminaria a amizade quando soubesse que a promessa feita anteriormente fora quebrada. Não conseguindo aproveitar por completo aquele momento, Caio saiu à francesa da festa e tomou um taxi que ziguezagueou a cidade antes de deixa-lo em um bairro distante da zona norte. Ficou por dias pensando naquele beijo e nas consequências que acarretariam a quebra do juramento realizado por ele a seu melhor amigo.

Totalmente alheia ao que havia acontecido naquela festa, Alessandra continuava sua vida de aventuras e loucuras de amor. Dispensara Hugo por saber que ele não era pessoa por quem nutria sentimentos e ainda pensava em Caio e no momento ardente que haviam tido. Por saber do pacto que cercavam os amigos, sempre que podia provocava uma situação de perigo, atraindo Caio para sua rede. Em uma dessas brincadeiras quase fora pega por seu irmão, que fazia um churrasco na cozinha enquanto ela e sua sensualidade faziam um audacioso strip-tease no cômodo ao lado. Foram diversas provocações e provações explorando todos os limites do perigo e a aproximação de Lúcio que pouco a pouco chegava mais próximo à verdade. Em uma tarde ensolarada, num encontro casual quase deixaram escapar o que havia acontecido na casa de Alice e foram salvas pela mãe de Alessandra que sabia do ciúme doentio de Lúcio e que já acobertara outras de suas escapadelas. Enquanto conversavam animadamente em uma roda, Alessandra que usava uma saia à altura dos joelhos, dobrava e desdobrava as pernas em frente à Caio que ruborizava-se cada vez que via a calcinha de renda preta usada por ela. Em determinado momento, levantou-se indicando a ele com as mãos que caminho tomar, enquanto os demais combinavam uma ida ao mercado para comprar guloseimas para uma sessão de cinema no final da noite.

Seguindo Alessandra com os olhos, Caio dava passos curtos e sua cabeça fervilhava em pensamentos. Sabia para onde estava indo e o que estava por fazer. Enquanto dividia-se entre a razão pela amizade de anos e o desejo da mulher que o cativava andava corredor à fora até a porta entreaberta da área de serviço. Ficou por instantes parado em frente a porta enquanto momentos bons entre os amigos passavam como um filme. Foi surpreendido quando seus olhos presenciaram Alessandra tirando a roupa aos poucos, ficando só de calcinha e soutien pretos dançando de forma sensual e atraente. Sentiu os pelos do corpo eriçarem e novamente uma onda de calor e desejo lhe tomou o corpo. Como se fosse puxado por uma força sobrenatural adentrou a pequena área entregando-se aos braços e aos desejos de Alessandra, esquecendo-se de quaisquer promessas já realizadas. Estava vivendo ali sua paixão proibida.

Lido 269 vezes Última modificação em Quarta, 19 Outubro 2016 16:27
Marcelo Pereira de Almeida

Marcelo Almeyda nasceu em São Paulo, Capital em 1984. Graduado em Jornalismo,atua como assessor de imprensa e produtor cultural em um escritório independente. Paulistano e corintiano doente é batuqueiro da escola de samba Águia de Ouro e apaixonado por esta agremiação. Como bom paulista adora pizza, os contrastes da cidade grande e contar boas histórias.

Idade: 31

Profissão: Produtor Cultural

E-mail: marcellofesta@gmail.com

Link: https://www.facebook.com/historiascontosresenhas/

Mais recentes de Marcelo Pereira de Almeida

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.