Quarta, 28 Dezembro 2016 12:59

Meu peito... de sonhos distantes

Escrito por
Avalie este item
(1 Voto)

"Multidão é meu nome
e a minha liberdade,
a de estar vivo."
Carlos Nejar

Eu espero que o mundo mude, mas não espero muito do mundo: a mudança me escapa e me ultrapassa. Então, devo apenas esperar de mim: mas sou só apatia. Vontade me falta. Não quero ver beleza na miséria, nem trazer a gentalha para o jantar. Não levo jeito para "Viridiana": minha esquerda é mais à destra.

Cansei de mergulhar no pensamento cuspido dos outros. Deixei de ansiar poesia quando morri eternidades. Deixei de abrir a boca quando me mandaram falar. A liberdade como ordem do dia é tão vil quanto a ausência de liberdade. Dar-se ao mundo é subtrair-se de si mesmo, morrer um pouco, em cada gesto: livrar-se do peso morto, do corpo e da alma. E respirar sozinho sob árvores secas. "Por que é assim?", pergunta a criança tola, cheia de inocência e perversidade. Fruto de Deus e do pecado. Monstro polimorfo de nossas fantasias imorais: o fantoche da modernidade. Passarão, com o mundo, pelo mundo. Alegrias e nobres virtudes na comédia do carnaval.

Esperanças dançando, velhas canções de ninar. A infância tecendo o destino, já velha e cega. Flutuando em meu corpo, meu peito... de sonhos distantes.

Lido 643 vezes
Mais nesta categoria: « Olha o Remedinho... Saudade »

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.