Quarta, 01 Junho 2016 18:39

o minimalista

Escrito por
Avalie este item
(2 votos)

Mandar textos curto conto
Responder Américo
Pagar conta pão pão

o minimalista

Minimalista, ou o grão vizir do minimalismo nasceu na década de 60 num tradicional bairro. Filho do meio de uma família de imigrantes, o minimalista sempre se sentiu menosprezado perante ao casal de irmãos. O carismático irmão mais velho orgulhava os pais enquanto a problemática irmã mais nova lhes dava trabalho.

Minimalista cresceu e se destacou pela leitura. Acostumou-se a ler nos momentos em que se calava. Colecionou enciclopédias, livros de ciência, matemática, física, biologia, química e até astronomia. Lia obsessivamente. Foi brilhante no vestibular e Ingressou na melhor faculdade da cidade. E logo foi notado pelos resultados brilhantes nos exames. Minimalista começou a se destacar e era o número 1 da faculdade

Minimalista era um superdotado intelectualmente, tornou se o orgulho da família, conheceu uma tímida porém bela esposa, que o compreendia. E por um tempo minimalista começou a falar mais, ser mais sociável.. Porém assim que obteve seu diploma com honras e ingressou nas firma mais prestigiada do país, já com o primeiro filho no primário e o segundo bebê por vir.

Minimalista não se mostrou útil ao mercado de trabalho

"Inteligentíssimo, porém incapaz de trabalhar na nossa empresa por pela dificuldade em se dedicar a tarefas em grupo por inabilidade social e falta de comunicação"

Minimalista se sentiu acuado desde o início naquele ambiente em que precisava atender telefones, frequentar reuniões, expor ideias e defendê-las na frente de estranhos. A natureza competitiva da firma era típica no mercado financeiro dos anos 80, era uma selvageria.

Minimalista rapidamente foi engolido pelos colegas e sem conseguir emitir suas ideias não se destacou. Embora fosse brilhante quando perguntado sobre cálculos, que fazia quase tão rápido quanto calculadoras.. depois dos aplausos iniciais as calculadoras da época continuavam mais rápidas e logo a empolgação inicial sumiu e o dom foi rapidamente esquecido

Minimalista deu a notícia a família e a esposa. A cara de decepção dos pais era tamanha que minimalista suava frio enquanto contava. Os pais decidiram que minimalista ia cuidar do pequeno mercadinho do seu falecido avô. Era a tarefa do tamanho de alguém como minimalista.. Ficaria atrás do caixa controlando as contas o armazém . A tarefa era solitária e Ele aceitou de bom grado a medíocre profissão para alguém que mostrou tanto potencial como minimalista. Mas de alguma forma ele já se sentia um completo fracasso desde seus primeiros e trôpegos passos. Nunca mais iria tentar se destacar novamente, estava melhor antes de ser notado....trancou se de maneira obsessiva na pequena loja, estudando e vasculhando canivetes, facas, pregos , e outras quinquilharias que vendiam naquele mercado, pelos 20 anos seguintes

Minimalista se tornou um expert em pequenas coisas. Fazia pequenos negócios como vender um chave de fenda de vez em quando. E logo foi promovido a gerente (em sua loja). Conseguia pagar as contas, sempre no limite, lucrando centavos. Que ele exibia orgulhoso para sua família. Pequenas contas

Minimalista não gastava nada, e embora tenha herdado uma pequena fortuna após a morte dos pais. Minimalista continuava vivendo apenas com os recursos da loja. O bom emprego da esposa garantia uma vida tranquila para ele e os filhos. Não ousava usar dinheiro herdado, usufruir do esforço de pai e mãe jamais, Ele nunca se permitirá a esse direito, não se sentia merecedor

Minimalista com a maturidade a ser mais sociável, seu papo era sempre sobre as notícias do jornal do da manhã, sem emitir opiniões divagava sobre coisas rotineiras como acordar e tomar café da manhã e de quem foram os gols da rodada.

Minimalista virou um tagarela que fala sem parar sobre pequenas coisas. Ocupava seu dia em renovar o seguro do carro, em negociar durante dias a assinatura ou não de uma revista, construía e desconstruída obsessivamente uma pequena estante nos fundos da loja. Passava horas a fio fazendo poucas alterações na pintura e eram sempre o 1 assunto a ser abordado junto a família ao regressar ao lar. Os clientes acabaram se acostumando e eram frequentes.

Minimalista se reafirmou como o expert das pequenas coisas porém nunca alçou voos maiores, se contentou com as pequenas coisas, nelas se ocupou, nelas conseguiu sucesso na vida adulta. Triste, pois se escureceu um cérebro brilhante.. Porém o minimalista está feliz. Será o minimalismo alguma forma de alcançar a felicidade?

Enviado do meu iPhone

Lido 583 vezes Última modificação em Quinta, 02 Junho 2016 11:08
Maff Hollywood

Pseudônimo

Mais nesta categoria: « O Meio Alhos e Bugalhos »

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.