Erótico
Quarta, 23 Novembro 2016 16:03

Escova de Dentes

Entrou no banheiro segurando o choro, de novo fora humilhada pela irmã. A irmã mais velha era sádica, qualquer coisa era pretexto para espancamentos, socos, murros, tapas, xingamentos. Agora mesmo por um nadinha. Que foi aquilo, meu Deus?
Quinta, 17 Novembro 2016 23:02

Amor de Verão

Ela acordou com a manhã brilhando na claridade que invadia o quarto através das janelas entreabertas e sem cortinas. A agradável brisa fresca do mar ainda mantinha o conforto na cama. Ele dormia aquele sono tranqüilo dos amantes felizes e, ela, com a leveza da pluma, lhe acariciava o peito quando a mão, percorrendo outros caminhos, sobressaltou-a com a rigidez do amor que ele lhe devotava. E isso o fez acordar e abrir os olhos com um sorriso de ternura. Um leve gesto com o braço ele puxou-a para cima de si e no abraço firme comprimiu os seios dela contra seu peito. E ela com a sua astúcia de fêmea e com os movimentos dos caracóis atraiu para dentro de si aquela intensa e rígida energia de amor.

Sábado, 12 Novembro 2016 13:22

Dos arrependimentos

Ela se inclinou pra frente e o beijou na boca, um beijo roubado, parecia-lhes inofensivo. Ele parou por um segundo e olhou ela nos olhos, e a beijou de volta guiando ela ate a cadeira de onde ela se levantou, passou as mãos na sua cintura e soltou um leve riso de satisfação, passou a mão por dentro da sua blusa e os dedos frios nas suas costas, puxando-a pra si enquanto apoiava-se na mesa onde estavam sentados. Ela sentiu seu corpo todo responder ao toque dele, suas pernas tremeram e então ela fechou os olhos apertados e segurou os cabelos dele, já acinzentados, o beijou com muita força como se fosse o ultimo beijo da vida dela, sentindo as mãos dele dentro das suas roupas, ela o fez parar...

Quinta, 20 Outubro 2016 20:50

Quem Ama se Fode

Me ama
Me deixa bem
Depois some
Sábado, 24 Setembro 2016 20:47

Sobre Memórias e Anatomia

Eu me lembro, é tão improvável mas eu me lembro da primeira vez que eu vi um pênis. Bem verdade, um pintinho recém-formado. Foi no jardim de infância. Uma escolinha pequena, um banheiro só. Eu entrei nele e tinha um menino mijando. Que coisa. Fiquei parada. Observei, tentei entender a situação, não sei quanto tempo se passou, eu estava imóvel, até que uma professora me tirou de lá, talvez fosse inapropriado. Mas eu não tinha culpa, eu estava confusa: antes desse momento eu nunca sequer havia pensado sobre como os homens ou meninos faziam xixi, até porque eu raramente exercia algum convívio com qualquer espécie de macho que fosse. Nem mesmo um cachorro. É bom explicar que eu não tive pai, nem padrasto, vô morto antes d’eu nascer, tio distante, nenhum irmão. Portanto nesse dia tão-claro tão-distante na minha cabeça, da maneira mais orgânica possível, eu entendi porquê havia outro gênero e porquê os pertencentes a ele eram diferentes de mim. Vivi minha vida inteira numa casa de fêmeas puras, onde o assento da privada jamais era levantado. Sempre pelada, sempre chamando de “perereca”, sempre ignorante ao que não fosse próximo das tetas de minha mãe.

Terça, 13 Setembro 2016 23:33

Recomeço

Fiquei sem saber porquê assim, do nada, veio uma angústia forte subindo no peito como uma ânsia de vômito sobe na garganta. Não tinha razão de ser, eu nem tinha história pra contar. Não tinha satisfação pra dar. Simples assim, nada na cabeça, o disco rodando devagar, acho que essa vitrola não aguenta mais, o cabelo ainda pingando, não tem cerveja nenhuma, amanhã é segunda. Preferi deixar a TV desligada. Já terminei meu livro. Cumpri meus afazeres de hoje. Não comi coisa gordurosa, não fiquei preocupada, não tem motivo pra vir essa coisa estranha amarga na boca. Li coisas antigas de tarde. Tudo imprestável, malconduzido, vago. E cá estou eu, fazendo a mesma coisa.

Quinta, 01 Setembro 2016 12:03

Cansados

Era um colchão tão velho tão fino que eu sentia cada tábua do estrado nas espáduas. Hesitei em fazer movimentos bruscos, só virei de lado. Meu braço esquerdo envolvia seu ombro, a tênue luminosidade da rua me permitia enxergar seu longo pescoço. Novo parâmetro: o tamanho do pescoço é proporcional ao pau. Estava silenciosamente feliz e me bastava.

Domingo, 21 Agosto 2016 14:08

Dois Zés

Essa coisa de estudar muito é um perigo; a gente fica alienado demais. Passei a semana lendo demais, encucando demais, e escrevendo de menos. Sexo então, zero. Problemático. Daí sobra espaço pras pirações sem âncora nas longas viagens de ônibus até o campus, ouvindo cada dia uma coisa diferente e lembrando cada dia de uma pessoa diferente. Música tem disso. Quando ouço algumas especiais, parece que um carteiro correu até mim e botou no meu colo uma garrafinha não só com o som, mas o cheiro, a cor, o calor, a textura e o retrato de quem me lembra.

Terça, 16 Agosto 2016 13:53

Diário de Debutante

Não haveria chance de eu me entregar antes do tempo... se eu não tivesse conhecido ele.

Sábado, 13 Agosto 2016 00:07

O Sofá

Já não nos chamamos mais uns aos outros de amantes, é uma pena. Não no sentido adúltero, embora aconteça, mas no sentido “temos fodido gostoso”. Nessas condições, tive muitos amantes e desejo ter muito mais. Amante parece ser uma palavra já perdida no século XX, mas no meu coração-cabeça-buceta ainda persiste. Amante é quem me comeu variadas vezes, de variadas formas, me fez feliz e deixou, de uma forma ou de outra, saudades.

Página 1 de 4