I Concurso CurtoConto
Sexta, 14 Outubro 2016 11:47

Conto da Bela

Num mundo imaginário, cheio de coisas impossíveis, existia uma menina super poderosa chamada Bela, que podia transformar tudo em que ela imaginava.

Sexta, 14 Outubro 2016 11:38

Um por todos

No povoado de Circus, Assobié acabara de desembaraçar o episódio que vinha convulsionando o cotidiano da população local. À época da ocorrência, há séculos, as informações não venciam as distâncias com tanta facilidade. Então, foi só por coincidência que Timo, o mercador vindo da aldeia Solidarius, pôde ouvir tudo sobre o mistério sobrenatural elucidado pelo estrangeiro. Impressionado com as habilidades de Assobié, foi imediatamente procurá-lo para repassar suas próprias notícias.

Sexta, 14 Outubro 2016 11:26

Paragrafo Onírico

Toni estava feliz, verdadeiramente feliz. Estacionou o velho jipe na beira da já desfalecida estradinha de terra e seguiu a pé, o sol resplandecia às 15h e algumas poucas nuvens indicavam que o dia continuaria belo e acomodado. A distancia, já podia ver o Vale da Corcova, vale de tantas boas memórias e aprendizados, irresoluto em sua beleza e imutável em sua serenidade. Era muito simples se deixar levar pelo lugar, se desenhando como uma colcha de retalhos, a grama raspava em seus joelhos, grama alta, alta do tipo que vive e cresce e respira, preenchida em seus meios pelas mais diversas cores de flores, estendendo-se até onde os olhos alcançavam. No horizonte, os dois famosos montes da Corcova que desenhavam o vale, entre eles um lago. Toni se lembrava de quando ele e seus primos corriam por essa colcha de retalhos e chegavam ao lago no que parecia ser apenas alguns minutos, e despreocupados, se atiravam na água doce, onde ficavam até a lua os expulsar, desenhando sonhos nas nuvens e rindo um dos outros até que não houvesse mais risadas em sua caixa de risadas. Toni estava feliz, verdadeiramente feliz.

Sexta, 14 Outubro 2016 11:09

O Caçador de Histórias

Hoje o dia esteve com as características que necessito para poder ganhar algum dinheiro. Passei o dia a apreciar com alguma angústia o tempo cinzento, um puro sinal que o verão acabara.

Sexta, 14 Outubro 2016 10:59

Sábado á Noite

Era uma noite de sexta-feira chuvosa, meus pais estavam preparando as malas para irem viajar. Eu iria passar o final de semana sozinho, porem eu já estava acostumado.

Sexta, 14 Outubro 2016 10:49

O Quadro da Vovó

Em 1996 vovó Damiana faleceu. Eu tinha apenas sete anos, mas aquela cena não sai da minha mente. Havia uma total ansiedade no velório da vovó, todos os parentes da família resolveram aparecer. Na sala; na cozinha; no quarto e até mesmo no banheiro tinham pessoas que pareciam chorosas. Eu tinha a impressão que a vovó não era o centro das atenções. Um sentimento esquisito dominava aquele lugar, murmúrios de que havia uma disputa nos itens de decoração da casa da vó Damiana.

Sexta, 14 Outubro 2016 10:40

A Caça

Naquele dia luminoso, Maga resolveu usar sua melhor roupagem para ir à caça, como dizia.

Sexta, 14 Outubro 2016 10:34

Sombra Negra

Naquela manhã de sábado, Ana acordou cedo como de costume. Tomou o primeiro gole de café e respirou fundo, engasgou com o próprio ar. Tossiu muito, mas ainda tinha algo travado na garganta. Achou que o café tinha entrado torto, machucando suas cordas vocais. Era louca por café e logo no segundo gole o calor aliviou a irritação momentânea, assim que o líquido passou pela garganta. Não ousou dizer em voz alta, mas aquele café estava mais amargo que de costume. Na segunda xícara, colocou o dobro de açúcar, mas por trás do melado, algo ainda era intragável, negro, pétreo. Aquele sabor tinha um resíduo que ela não sabia dizer o que era.

Sexta, 14 Outubro 2016 10:23

Abissal

Vaguei sem rumo pelos umbrais do inferno. Tempo suficiente para que o ódio que embaçava minha visão se dissipasse e finalmente pudesse raciocinar direito. Levei eras para alcançar os portões de Dante e ler, com dificuldade, que toda minha esperança acabava ali. Certamente Dante havia pegado um atalho até aquele portal, pois minha esperança já havia acabado há muitos e muitos anos.

Sexta, 14 Outubro 2016 10:17

Intimidade do Claustro

É manhã na abadia. O fraco sol de inverno, filtrado pelas gárgulas em fila no alto do edifício principal, joga sombras monstruosas no pátio. Um vento cortante chega do norte, fazendo tremer os abetos do bosque fronteiriço. Janelas e portas estão cerradas como pálpebras durante o sono, exceto uma portinhola baixa e estreita, a única que dá para o exterior do claustro. Sob a pequena cobertura abobadada que a protege de chuva e neve, uma outra sombra busca algum abrigo do frio. Walesa, a abadessa, ainda mais magra envolvida naquelas vestes negras de lã, tem os olhos fixos na curva da estrada, cerca de duzentos metros abaixo. Pousado na sebe à margem de todo o lado esquerdo da via, que dá para um precipício profundo e pedregoso, um corvo parece acompanhar a vigília da mulher.

Página 1 de 8