S. d. Castelly

S. d. Castelly

S. d. Castelly, é um pseudônimo de Samuel Castro Borba, ambos completamente apaixonados por literatura e psicanálise. Envolvidos em turbulentas discussões sobre o universo e a mente humana, que às vezes se confundem, entre pensamentos estelares e estrelas pensantes.
Desde pequeno assíduo leitor, e apaixonado por ficção cientifica, suspense, fantasia e subjetividades implícitas em cada verso, em cada texto. Criando teorias para satisfazer-se e imaginar novas possibilidades para este entediante mundo.
Ademais, é comum, confuso e sonhador. Buscando nas palavras e nas letras os caminhos para sair desse labirinto chamado vida, da melhor forma possível.

Uma borboleta repousava em minha pele marcada. Já fazia algum tempo, mas sequer percebi, e quando me dei conta fui abruptamente surpreendido com uma sensação áspera. A letargia incomodava ocasionalmente em situações assim. Segui minha rotina – Todos os dias intensamente iguais – Perdida nos mares, submergida numa constante apneia. Às vezes me perguntava: Como vim parar aqui? Mas, momentaneamente pensava no que li num recorte antigo de uma velha revista: “Minha alma gélida congelaria o inferno”. Refleti, e não encontrei significado, desconheço essas crenças, acredito no que me toca, por mais que eu raramente sinta, no que vejo, mesmo embaçado. Entretanto, tenho esperança, tenho dúvidas. Uma bipolaridade inerte numa mente nada criativa e muito confusa. Em meio ao caos e a fumaça era possível ignorar o cheiro de sangue e morte dando atenção às lindas árvores de cerejeira. Suas flores encobriam os roubos, assassinatos e horrores de uma cidade constantemente em evolução. “Viva a democracia, a Constituição, aos bons princípios. Viva a revolução. Viva a liberdade de expressão.”