Terror
Beatriz Antonieto Fernandes

Beatriz Antonieto Fernandes

Blogueira, web designer, estudante, nerd, whovian, fã de indie Music, romances policiais e ficção científica.

Todo dia 20 publica um texto novo.


Profissão: Blogueira

E-mail: biaantoneto@gmail.com

Link: https://www.facebook.com/beatrizantonie2/
instagram.com/livrendocombeatriz/
www.twitter.com/BeatrizAntonie2
https://br.pinterest.com/antonieto0471/
http://beatrizantonieto.blogspot.com.br/

Terça, 25 Outubro 2016 22:29

Badra

A noite foi agitada. Não pude pregar meus olhos por sequer um segundo, devido à sensação de culpa. Na cama ao lado, Trondira se virava de um lado para o outro. Decidi perguntar:

Quinta, 13 Outubro 2016 12:31

Decesso Medieval

É assustador. Eu estou aqui, respirando o ar mais melancólico que existe. O cubículo onde me encontro, feito de pedras enormes, aumentam ainda mais o meu pânico.

Quarta, 21 Setembro 2016 14:04

Lility – Terceiro conto da série Kahelium

– Não! Eu não hei de aceitar me reproduzir com essa coisa! – Protestou Lility. – Você não tem esse direito de escolher com quem teremos filhos, que hão de virar seus empregados! Você diz querer melhorar nossas qualidades, no entanto, nos selecionou por nossos defeitos. Ainda não aprendemos nada durante nossa estadia. O que é mais importante para você: um bando de ignorantes que aceitam qualquer imposição sem ao menos saberem do que se trata ou seres inteligentes, capazes de se virarem se um dia ficarem sozinhos? – Questionou Lility, provocando um minuto de reflexão entre os tripulantes. Percebíamos que tudo o que ela dizia fazia sentido.

Segunda, 22 Agosto 2016 13:28

Taresh - 2º conto da série Kahelium

–Será que ele está bem? – Perguntou uma voz que vinha do meu quarto.

Quarta, 20 Julho 2016 14:27

Kahelium

Acordei péssimo depois daquela noite. Olhei ao meu redor e fiquei assustadíssimo, já que não sabia onde estava. Sentei-me naquele chão de uma espécie de metal, o mesmo em que dormira, e passei a observar meu aposento.

Terça, 21 Junho 2016 22:42

Apatia nebulosa

Era só mais uma manhã nublada de junho, e isso não fazia diferença para um homem que se sentara no banco da pequena praça que ficava do outro lado da rua.

Sentei-me em um dos bancos e passei a observá-lo. Parecia ansioso. Acomodou as mãos sobre os joelhos e mordeu os lábios brutalmente. Agora parecia irritado.